Buscar
  • Holy Raps

Você é realmente livre?

Por Richelly Avelino (interina)*


Se me perguntarem: Qual a Igreja (instituição) correta? Eu diria sem sombra de dúvida: a mais próxima das Escrituras.


Jesus nos deixou um modelo a ser seguido em vários trechos bíblicos, isso porque nós mesmos em nossa natureza pecaminosa podemos nos perder em nossos próprios pensamentos ou intuições.


Infelizmente, ao longo dos anos, com inúmeros acontecimentos, até mesmo históricos, o paganismo entrou no meio cristão e o que seria um culto a Deus, cristocêntrico, se tornou almático e egocêntrico.


Os Louvores massageiam o ego e deixam de lado o uso do bom hinário - por mero modismo tiraram o foco de Cristo. Os fundos pretos em púlpitos ou em todo auditório tiraram a liberdade do ouvinte. Usa-se este método para dirigir o foco do ouvinte para um ponto apenas, ou para criar um ambiente propício para qualquer impulso e comando que for dado. Esse é um método de PNL, Programação Neurolinguística, no qual os comandos do seu cérebro recebem estímulos para algum fim, muito usado também em neuromarketing.

Por exemplo, imagine a praça de alimentação de um shopping da sua cidade: você entra e pronto, aquele aroma de batata frita lhe desperta o desejo de comer aquele Big Mac, certo? Isso não é em vão! Os aromas e cores usados são propositais para tal fim!


Assim como não é em vão quando, as luzes centrais apagam, os leds acendem, e aquele solo de guitarra tocando uma nota suave logo te faz chorar!


Os cultos agora são temáticos. Campanhas e correntes que de forma alguma podem ser quebradas, são usadas como atrativos para encher igrejas e inúmeras pessoas infelizmente vivem cegas, pois vivem dessa “tal liberdade” e não a de seu Libertador e de Suas Palavras que é o que realmente nos liberta e transforma (João 8:31.32).


São inúmeros os exemplos que poderíamos dar a respeito desse assunto!



Então como podemos dizer que somos livres, se ainda estamos atrelados a tais manipulações, atitudes ou práticas? Como podemos alegar liberdade, se não conseguimos nos considerar livres quando nos é dito que “Sola Scriptura” nos basta?

Isso acontece porque fomos ensinados de forma errada, fomos ensinados a ver, tocar, beber, nos banhar, etc... A raiz brasileira é pagã e muitos tivemos contato com o espiritismo, ao ponto que alguns foram se convertendo e levaram com eles alguns costumes para a igreja evangélica. Inclusive existem algumas denominações que nada se diferenciam de templos espíritas.


Isso desperta em nós a chamada memória de longo prazo, que é onde ficam armazenados aquelas informações mais antigas, entre outras, fazendo com que seja normal estar em um ambiente similar.


Mas, há aqueles que realmente leem as Escrituras e meditam nelas e não se deixam levar por movimentos ou “fogo estranho”. Ao contrário, lutam para seguirem os ensinamentos de Cristo, aceitando de bom grado as correções do Senhor. Esses podem se considerar livres.


Essa libertação nem sempre é indolor. Pelo contrário, pode ser muito dolorosa. É como retirar cacos de vidro cravejados na pele. Você perceberá que muito do que vive ou viveu não passou de dogmas humanos. Mas eu te garanto que você se sentirá tão livre, leve e tão perto de Cristo que valerá a pena cada cicatriz.


Hoje te desafio a procurar um conteúdo consistente. Leia a Bíblia, peça sabedoria e discernimento!


Leia a Bíblia, você irá se surpreender!


(Sujestão de site para estudo: https://ministeriofiel.com.br/)


*Richelly é esposa do titular da coluna Marcell P. Pinto; ela é vocalista do Tetelestai Rap, estudante de Marketing Digital (UNINTER) e membro da IBBB – Igreja Batista do Bairro Bonfim.